Ansiedade pode comprometer tomada de decisões

Se a sabedoria popular e a experiência recomendam confiar nos instintos na hora de tomar certas decisões, a ciência recomenda cautela para quem sofre de ansiedade. Segundo o médico psiquiatra Cyro Masci, muitas decisões instintivas são baseadas em mudanças corporais e, como a ansiedade modifica as reações do corpo, pode alterar tais decisões.


Ansiedade pode comprometer tomada de decisões

De acordo com Masci, a ansiedade provoca modificações no corpo, como tensão muscular, respiração ofegante ou calor. “Essa sensação do corpo pode informar ao cérebro que uma determinada situação merece atenção, porque é potencialmente perigosa, muitas vezes de modo incorreto, apressado. Em resumo, de modo ansioso”, explica o médico.


Tomada de consciência


Para contrabalançar essa tendência, o especialista sugere checar periodicamente o estado do corpo. “De tempos em tempos, é interessante verificar se existe tensão nos ombros, nas pernas, nos braços. E se a respiração está superficial”, afirma Masci.


Não se trata, diz ele, de controlar o corpo, mas sim de sair do automatismo mental que as pessoas utilizam a maior parte do tempo. “Focando nas tensões do corpo e na respiração, abre-se uma janela de oportunidade para atuar de modo ponderado, decidir melhor e, quem sabe, aprender mais a respeito das próprias reações com os acontecimentos e pessoas”, destaca o psiquiatra.


Para Cyro Masci, se essa tomada de consciência do corpo e do estado mental informar que existe uma tensão crônica e uma antecipação de dificuldades desproporcionais à importância, ou que persista muito tempo, esse pode ser um indicativo de ansiedade generalizada. “Neste caso, é preciso procurar ajuda, buscar tratamento especializado para modular a capacidade do cérebro de ponderar riscos e agir de modo mais harmônico e proporcional às ameaças”, finaliza Cyro Masci.


Na imprensa


Globo https://glo.bo/3d40DDC

Terra http://bit.ly/3aUvYGK

Agência Estado http://bit.ly/2vvALQ2


0 visualização
Logo.png